<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>
  • Site Click PB
    29/12/2010

    Gol encurta treinamento de comissário para suprir voos
    Empresa corta 15 horas de curso para funcionários voarem no Réveillon

    Com parte da tripulação perto do limite de horas de trabalho antes do fim do mês, a Gol encurtou o treinamento de comissários para incorporá-los ao trabalho. A informação é da reportagem de Mariana Barbosa publicada na edição desta quarta-feira da Folha.

    Documento interno da Gol obtido pela Folha revela que uma turma de comissários está sendo incorporada sem concluir o treinamento. "Devido a necessidade de substituirmos comissários que estão no limite de horas, a turma está sendo disponibilizada para voar", diz o documento.

    O texto afirma que eles tiveram instruções relativas à segurança e emergência. A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) diz que os comissários podem voar. Para o diretor do Sindicato Nacional dos Aeronautas Carlos Camacho, as 15 horas de treinamento "fazem a diferença na segurança". 

     

     

    Jornal do Brasil
    29/12/2010

    Aeronautas, aeroviários e empresas retomam negociações sobre salários

    O Sindicato Nacional dos Aeronautas, os sindicatos de aeroviários e a Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil irão reunir-se nesta quarta-feira, às 14h, com representantes do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA). A reunião, na sede do sindicato patronal, na Avenida Marechal Câmara, nº 160, sala 1734, Centro do Rio de Janeiro, representa a retomada das negociações da campanha salarial das categorias. Até o momento, aeroviários e aeronautas defendem 13% a 15% de reajuste nos salários e cerca de 30% de reajuste sobre os pisos e demais itens econômicos. As empresas oferecem 8% de aumento salarial.

    Na quinta-feira, está prevista audiência no Ministério Público do Trabalho, em Brasília, às 14h.

     

     

    Diário Catarinense
    29/12/2010

    Excesso de jornada pode provocar cancelamentos
    Sindicalistas alertam para o risco no Ano-Novo, enquanto empresas e a Anac negam problemas
    FLÁVIO ILHA

    O Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) alerta que muitos tripulantes estão próximos de completar seu limite legal de horas trabalhadas. O acúmulo de horas pode causar o cancelamento de voos nos próximos dias, quando o movimento nos aeroportos se intensifica devido ao Ano-Novo.

    O presidente do SNA, Gelson Fochesato, disse estar preocupado com a situação dos aeronautas, categoria que inclui os pilotos e os comissários de bordo. Legalmente, um aeronauta não pode exceder 85 horas de trabalho por mês ou 230 horas por trimestre. Mesmo assim, o dirigente não quis confirmar se haverá cancelamentos.

    – Temos informações de que há trabalhadores muito próximos do limite, mas não podemos ter certeza porque as empresas não informam oficialmente os dados. Nossa expectativa é pelo cancelamento de alguns voos.

    Na avaliação do presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil, Celso Klafke, o problema estaria concentrado na Gol. Segundo o dirigente, 40% do pessoal de voo da companhia começará a completar suas horas legais nesta semana. O mesmo problema ocorreu com a TAM em novembro passado, causando atrasos em 18,5% dos voos da companhia.

    Programação dos voos está mantida, diz Gol

    Ainda de acordo com o sindicalista, o pessoal de terra também está sendo sobrecarregado pelas empresas. Em alguns casos, segundo Klafke, os trabalhadores são obrigados a cumprir jornadas de 12 horas sem direito a folgas adicionais. O regime de trabalho dos aeroviários é de seis horas diárias, com uma folga semanal e outra para compensar domingos e feriados.

    O Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias negou que haja excesso de jornada. Por meio da assessoria de imprensa, disse que as escalas combinadas com as tripulações estão sendo cumpridas sem problemas.

    A Gol negou excessos. Em seu site, postou um aviso informando que toda a programação de voos para o final de ano está mantida. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), também por meio da assessoria de imprensa, assegurou que a tripulação informada pelas empresas “é suficiente” para dar conta da demanda de voos programada pelas companhias.

     

     

    Site O Norte
    29/12/2010

    Aeroportos podem ter greve no dia 1º
    Sindicato vai recorrer da decisão que mantém 80% do atendimento

    Os aeronautas e aeroviários prometem cruzar os braços no próximo sábado, dia 1º de janeiro, caso as negociações com os patrões não sejam retomadas. "Tudo será decidido na quarta-feira, mas a tendência é essa. Escolhemos o dia 1º de janeiro por causa da posse", disse a presidente do Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA), Selma Balbuíno. Caso a promessa seja cumprida, os aeroportos brasileiros devem ficar abarrotados no feriado de ano-novo. 

    No início da semana, os funcionários das empresas aéreas ameaçaram entrar em greve e a Justiça Federal no Distrito Federal expediu liminar que estendia até 10 de janeiro a proibição de greve da categoria, sob pena de multa de R$ 3 milhões por dia no caso de descumprimento. Na noite da última quinta-feira, a liminar foi derrubada, mas ficou mantida a decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que determina atividade de 80% do efetivo até 2 de janeiro, sob pena de aplicação de multa de R$ 100 mil por dia. A categoria deve recorrer da decisão amanhã. "Nosso advogado jáestá preparando o recurso. Por lei, é exigido apenas 30% do efetivo trabalhando", reclamou a presidente do sindicato.

    A reivindicação inicial da classe era um reajuste salarial de 15%, reduzido para 13% por falta de acordo. Os aeroviários e aeronautas também lutam pela criação de novos pisos salariais, com ganho de 30%, e pela criação de um piso para os operadores de equipamento de viatura - aqueles veículos que circulam na pista dos aviões levando bagagem e mantimentos. De acordo com o SNA, a categoria rejeita qualquer proposta com percentual abaixo de dois dígitos. As companhias ofereceram inicialmente um reajuste de 6,5%, que já subiu para 8%. O índice, no entanto, não foi aceito.

     

     


    << Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>