Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Domingo, 16 de Junho de 2019
06/05/2010

<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>

Revista Veja
06/05/2010

Redução de comissários por voo pode prejudicar segurança aérea

Uma mudança recente no regulamento do setor aéreo brasileiro, que reduz o número de comissários nos voos, poderá comprometer a segurança das aeronaves brasileiras. É o que alerta o diretor de Segurança de Voo do Sindicato Nacional dos Aeronautas, comandante Carlos Camacho.

A pedido das companhias aéreas, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) autorizou que as empresas calculem o número de atendentes pela quantidade de assentos, não mais pela de portas de emergência, o que, para o comandante, vai prejudicar os passageiros.

De acordo com a ANAC, em 2008, a Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) solicitou à agência que toda a regulamentação aérea do Brasil fosse adaptada aos critérios da maioria dos outros países membros da Organização de Aviação Civil Internacional (Oaci).

A ANAC aceitou o pedido e desde então tem revisado todos os padrões da área. O novo regulamento foi publicado no Diário Oficial da União do último dia 22 de março, mas nenhuma empresa chegou a reduzir o número de comissários ainda.

Antes, elas precisam ser aprovadas no teste de evacuação, quando, num voo simulado com situação de emergência, o tempo máximo entre a abertura das portas e a saída de todas as pessoas que estiverem no avião deve ser de 90 segundos.

Nesse teste, a empresa deve provar que consegue cumprir o prazo com uma quantidade mínima de comissários. O diretor de Segurança de Voo do Sindicato dos Aeronautas reclama, porém, que os testes não garantem necessariamente a segurança dos voos. "Não existe uma evacuação de emergência como a outra, em uma situação real, um comissário pode desmaiar e os passageiros podem entrar em pânico", comenta.

Carlos Camacho destaca que, antes da revisão do regulamento, o Brasil estava um passo à frente dos demais países que adotam um proporção reduzida de comissários. "Mesmo com a quantidade anterior, sempre que acontecia um acidente, os passageiros que estão perto das janelas de emergência - e dificilmente entendem desse tipo de procedimento - são convidados a ajudar a tripulação, com o número diminuindo, o desespero pode ser maior", lembra.

O comandante acrescenta que a quantidade de tripulantes por voo já tinha um déficit médio de 30% no país. "Agora as empresas quiseram reduzir ainda mais para dizer que estão dentro do padrão, mas quem perde é o usuário, que fica desprotegido, e os funcionários, que podem perder o emprego", afirma.

Por meio da assessoria de imprensa, os técnicos da ANAC ressaltaram que o Brasil agora segue os padrões internacionais de segurança aérea e que a quantidade de comissários não determina que haverá mais segurança, já que um número maior de pessoas na aeronave pode atrasar o período de evacuação de emergência.

Veja abaixo a estrutura de comissários

- De 10 a 50 assentos: mínimo de 1 comissário.

- De 51 a 100 assentos: mínimo de 2 comissários.

- 101 ou mais assentos: mínimo de 2 comissários + 1 comissário para cada 50 assentos que exceda a capacidade.

- Um Boeing 737-900ER, por exemplo, que tem capacidade para 215 passageiros e seis portas de saída, terá quatro comissários pelo novo regulamento. Pelo anterior, seriam seis.
 

 

 


<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>

Página Principal