Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Domingo, 16 de Junho de 2019
17/04/2010

<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>

JB Online
17/04/2010

Polônia presta homenagem às vítimas da tragédia do avião presidencial
Agência AFP

VARSÓVIA - Mais de cem mil poloneses se reuniram emocionados neste sábado em uma imensa praça de Varsóvia para prestar sua última homenagem ao presidente Lech Kaczynski e às outras 95 vítimas do acidente com o avião presidencial, que caiu há uma semana na Rússia.

Em todo o país as sirenes e os sinos das igrejas soaram na capital para marcar o início das cerimônias às 08h56 locais (03h56 de Brasília), hora exata da tragédia aérea em Smolensk, oeste da Rússia.

"Coisas como esta nunca acontecem, é algo impossível!", exclamou o primeiro-ministro Donald Tusk. "É a maior tragédia da história da Polônia depois da Segunda Guerra Mundial".

Mesmo depois das cerimônias, será preciso "aguardar que todos os caixões estejam na terra da Polônia", ressaltou, mencionando as vinte vítimas que ainda não haviam sido identificadas na Rússia.

O papa Bento XVI enviou uma mensagem de "solidariedade" ao povo polonês, lida por seu núncio apostólico, o arcebispo Jozef Kowalczyk.

"Nestes dias difíceis para a nossa pátria, não estamos sozinhos. Por isso expressamos o nosso reconhecimento aos cidadãos da Rússia que espontaneamente manifestaram à Polônia e aos poloneses a sua compaixão", declarou o presidente em exercício Bronislaw Komorowski.

A paralisia do tráfego aéreo europeu e o fechamento até nova ordem do espaço aéreo polonês tornava incerta a ida de líderes estrangeiros, entre eles os presidentes americano e russo, Barack Obama e Dmitri Medvedev à Cracóvia, no sul do país.

A cerimônia de Varsóvia, que começou à tarde, durou três horas e meia. Depois a multidão se dispersou aos poucos, com muitas pessoas enroladas em suas bandeiras nacionais e com pequenas cadeiras dobráveis debaixo do braço.

No local, um altar havia sido montado no local onde o papa João Paulo II havia celebrado sua missa memorável, durante a sua primeira peregrinação na Polônia comunista em 1979. Uma simples cruz branca, tendo ao fundo um imenso painel negro com fotos de todas as vítimas da tragédia.

Além de Tusk, o ministro das Relações Exteriores Radoslaw Sikorski, o ex-presidente e pai do movimento anticomunista Solidariedade Lech Walesa e o ex-presidente Alexander Kwasniewski estavam presentes, além de parentes das vítimas.

O irmão gêmeo de Lech Kaczynski, Jaroslaw, foi ovacionado em sua chegada com a filha do casal presidencial, Marta.

Às 17h30 (12h30 de Brasília), os caixões do presidente e de sua esposa, expostos desde terça-feira no Palácio Presidencial, foram levados para a catedral de São João. Uma primeira missa para o casal foi celebrada no início da noite, antes do funeral de domingo em Cracóvia (sul).

Em sua homilia, o primaz da Polônia Monsenhor Henryk Muszynski, mencionou as relações difíceis da Polônia com a Rússia na história e as esperanças de reconciliação.

"O sangue derramado é capaz de unir. Este é um sinal de esperança e uma chance de aproximação e de reconciliação entre nossos dois povos", declarou.

"Desde que saibamos não despediçar esta oportunidade", acrescentou.

Os corpos do casal presidencial devem ser levados no domingo de manhã em um avião militar para a Cracóvia, onde até um milhão de pessoas são aguardadas para o funeral previsto para domingo.
 

 

 

O Globo
17/04/2010

Aeroportos europeus ficam fechados até domingo
BBC Brasil

O caos aéreo provocado pela erupção do vulcão da geleira de Eyjafjallajoekull, na Islândia, iniciada na quarta-feira, piorou neste sábado e praticamente não há voos partindo ou chegando a aeroportos do norte e centro da Europa.

Segundo a Eurocontrol - agência que controla o tráfego aéreo em 38 países europeus - pelo menos 23 países fecharam seu espaço aéreo total ou parcialmente.

A Grã-Bretanha estendeu o fechamento de seu espaço aéreo até o domingo de manhã, e os aeroportos do norte da França e do norte da Itália permanecerão fechados até segunda-feira.

Neste sábado, cerca de 16 mil voos europeus foram cancelados por causa da nuvem de cinzas expelida pelo vulcão da Islândia, que se move lentamente em direção ao leste e sul da Europa.

A previsão é de que as condições climáticas permaneçam as mesmas, bem como a direção do vento, o que significa, segundo a Eurocontrol, que a situação não deve mudar até domingo pela manhã.

Milhões de passageiros foram afetados pelas restrições aéreas, adotadas na quinta-feira. As companhias aéreas estão perdendo cerca de R$ 350 mil por dia como fechamento sem precedentes da aviação comercial.

As cinzas expelidas pelo vulcão - uma mistura de partículas de vidro, areia e rocha - podem danificar seriamente os aviões, entupindo as turbinas e fazendo com que os motores parem de funcionar em pleno ar.

Cancelamentos

Na sexta-feira, cerca de 18 mil voos foram cancelados, duas vezes mais do que na quinta-feira.

A Grã-Bretanha estendeu o fechamento de seu espaço aéreo pelo menos até às 7h00 de domingo (hora local, 3h00 de Brasília).

Muitos outros países - da República da Irlanda até a Rússia - também fecharam seu espaço aéreo.

O vulcão permanece em erupção neste sábado. Segundo o cientista David Rothery, do departamento de ciências terrestres da Open University, na Grã-Bretanha, há uma "quantidade significativa" de cinzas na coluna de fumaça expelida pelo vulcão, segundo as imagens mostradas ao vivo por webcameras da Islândia.

"A coluna está pulsando em altura, enquanto novas explosões ocorrem na cratera ativa. É possível ver cortinas de cinza por trás da fumaça, de tempos em tempos."

Segundo Rothery, as minúsculas partículas das cinzas no alto da coluna deverão ser carregadas para o alto pelos ventos, contribuindo para a nuvem de cinzas que se desloca sobre a Europa.

Alternativas de transporte

Na Europa, passageiros estão buscando alternativas como trens, ônibus e barcas.

O serviço Eurostar, que liga a Grã-Bretanha ao continente europeu está lotado até segunda-feira.

"Em termos de fechamento de espaços aéreos, isso é pior que 11 de setembro. A interrupção é pior do que qualquer coisa que já vimos", disse um porta-voz do órgão que regulamenta a aviação na Grã-Bretanha, a Civil Aviation Authority.

Entre os milhares de pessoas afetadas pela nuvem de cinzas vulcânicas estão a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que foi obrigada a pousar em Portugal na sua volta dos Estados Unidos, e a cantora americana Whitney Houston, que foi forçada a viajar de carro da Grã-Bretanha para a Irlanda para fazer um show.

A segunda erupção do vulcão da geleira de Eyjafjallajoekull em um mês começou na quarta-feira, lançando uma nuvem de fumaça a uma altura de 11 quilômetros na atmosfera. Uma fissura de 500 metros apareceu no topo da cratera.

O calor do vulcão derreteu parte do gelo em volta, provocando enchentes na região na quarta-feira.

Nos primeiros momentos, cerca de 800 pessoas tiveram que abandonar as suas casas. O vulcão, no entanto, continuou emitindo nuvens de poeira em direção à Europa.

Especialistas não sabem quanto tempo esta erupção deve durar. A última erupção vulcânica debaixo da geleira, antes deste ano, começou em 1821 e continuou por dois anos.

 

 


<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>

Página Principal