RIO DE JANEIRO - 02 DE JUNHO DE 2008

O Estado de São Paulo
03/06/2008

VarigLog não apresenta novos sócios brasileiros

Venceu ontem o prazo dado pela Justiça de São Paulo para que o fundo de investimentos americano Matlin Patterson apresentasse novos sócios brasileiros para a VarigLog. Além de não apresentar novos sócios - em substituição a Marco Audi, Luiz Gallo e Marco Haftel, afastados judicialmente -, o Matlin apresentou a tese jurídica, rejeitada pelo juiz José Paulo Camargo Magano, da 17ª Vara Cível, de que o artigo 181 do Código Brasileiro da Aeronáutica não é válido. Para o fundo, o artigo 181, que limita em 20% a participação estrangeira em empresas aéreas, foi revogado pela Emenda Constitucional 6/95.

O juiz solicitou à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que apresente, em 24 horas, o processo administrativo sobre o caso, bem como os pareceres que embasaram a decisão da Anac, de 23 de junho de 2006, autorizando a estrutura societária da VarigLog. Na conclusão publicada ontem, o juiz Magano afirma que a análise da documentação da Anac “definirá os rumos do processo”. Para o juiz, a sociedade formada pelo fundo com os três brasileiros “deu-se com o propósito de burla ao artigo 181”. A Anac afirmou que entregará os documentos dentro do prazo.

 

 

O Estado de São Paulo
03/06/2008

Embraer vende aviões ao governo
As duas aeronaves modelo 190 terão custo de R$ 84 milhões cada uma
Beth Moreira

A Embraer assinou ontem com o governo brasileiro contrato para a venda de dois aviões modelo 190, com configuração especial para o transporte de autoridades. Os aviões vão substituir os dois Boeings da Presidência da República - que já estão em operação há mais de 30 anos - e terão um custo de R$ 84 milhões cada um.

Para o presidente da Embraer, Frederico Fleury Curado, a venda dos dois aviões para o governo brasileiro tem um significado especial para a empresa e também um caráter estratégico. Segundo o executivo, a configuração especial da aeronave abre novas oportunidades de vendas para a Embraer.

Curado lembrou que a nova configuração do avião tem uma autonomia maior do que o modelo normal, com até 3 mil milhas de alcance, o que permite viagens até para a Europa e Estados Unidos. Além disso, a aeronave tem área privativa para o presidente e poltronas para outros 38 passageiros.

“Há alguns anos fomos consultados, mas não tínhamos nenhum produto para atender ao governo. Agora temos um produto adequado”, disse o executivo. “São poucos os países do mundo em que chefe de Estado pode chegar ao país que ele visita saindo de uma aeronave de fabricação nacional.”

De acordo com o Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, comandante da Aeronáutica, a substituição dos Boeings do governo deve-se ao desgaste natural dos aviões, o que tem gerado um elevado custo operacional. Segundo ele, os modelos da Boeing têm sofrido “panes complexas” e exigiram a instalação de novos equipamentos. O comandante disse ainda que os aviões antigos têm elevado consumo de combustível e carecem da falta de uma empresa nacional para manutenção.

“O Airbus continua sendo o avião principal da presidência, mas o Embraer vai funcionar como reserva, já que ele tem autonomia para voar para qualquer capital da América do Sul”, disse Saito, referindo-se ao Airbus A319, apelidade de Aerolula, comprado em 2005 por US$ 56,7 milhões.

CARGUEIRO

O presidente da Embraer afirmou também ontem que tem mantido conversas com a Aeronáutica para o desenvolvimento de um avião cargueiro, o C390, mas que as características da nova aeronave ainda não foram definidas pela Força Aérea Brasileira (FAB). Ele lembrou que o ciclo de desenvolvimento de um produto dura de quatro a cinco anos. Para o executivo, com a nova configuração do 190 e o novo cargueiro, a empresa terá um crescimento orgânico nos negócios de defesa e governo.

 

 

O Estado de São Paulo
03/06/2008

Controladores de vôo enfrentam 2 processos

Os quatro controladores de tráfego aéreo envolvidos no acidente com um Boeing da Gol, que deixou 154 mortos em setembro de 2006, irão responder a dois processos distintos - um perante a Justiça Militar, por crimes militares, e outro na Justiça Federal, por crime comum. O recurso com o qual o Ministério Público Federal tentava que o Supremo Tribunal Federal (STF) revisse a decisão foi negado ontem pelo vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Cesar Asfor Rocha.

 

 

Folha de São Paulo
03/06/2008

Aviação mundial poderá perder mais de US$ 6 bi
Culpa é do aumento do combustível, diz entidade
DA REDAÇÃO

As companhias de aviação podem perder mais de US$ 6,1 bilhões neste ano devido aos altos preços do petróleo, segundo a Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo).

Esse é o pior cenário previsto pela entidade, em que o preço do barril tipo Brent, o petróleo do mar do Norte negociado na Bolsa de Londres, custará em média US$ 135 no ano.

No cenário mais conservador da Iata, a cotação média do Brent será de US$ 107, e os prejuízos chegarão a US$ 2,3 bilhões neste ano. O barril foi negociado a pouco menos de US$ 130 ontem no mercado de Londres -nesta mesma época no ano passado, valia aproximadamente US$ 70.

"A situação é desesperadora e potencialmente mais destrutiva do que as nossas últimas batalhas com todos os cavaleiros do apocalipse juntos", afirmou o diretor-geral da Iata, Giovanni Bisignan. No ano passado, as companhias aéreas tiveram lucro de US$ 5,6 bilhões, o primeiro ganho desde 2000.

Pelos cálculos da associação, cada aumento de US$ 1 no preço do petróleo provoca crescimento de US$ 1,6 bilhão nos custos das empresas.

Os aumentos nos preços dos combustíveis devido à alta no petróleo fizeram com que a Iata alterasse significativamente as suas projeções de lucro para este ano. Inicialmente, ela estimou ganhos de quase US$ 8 bilhões. Ainda no ano passado, o valor foi reduzido para US$ 5 bilhões. Já em março deste ano, nova queda na projeção, desta vez para US$ 4,5 bilhões.

Na semana passada, a companhia aérea britânica Silverjet, que só tinha classe executiva, suspendeu suas operações após 16 meses de funcionamento, depois que não conseguiu fechar um financiamento de emergência para tentar compensar os prejuízos com a alta no preço do combustível.

Também no final do mês passado, a United Airlines, a segunda maior companhia aérea americana, disse que aumentará o preço das suas passagens nos Estados Unidos, medida que foi seguida pela rival American Airlines, a maior do país, e e pela Delta.

A American Airlines já anunciou que passará a cobrar US$ 15 de passageiros pelo check in da primeira bagagem, serviço que antes era gratuito (nos Estados Unidos, algumas empresas cobram pela segunda mala que precisa ser despachada).

A empresa também pretende reduzir em 85 aviões sua frota até o final do ano. Pelo menos por enquanto, ela é a única entre as grandes companhias aéreas que cobrará para fazer o check in da primeira mala despachada -a United Airlines afirmou que estuda tomar medida semelhante.

 

 

Folha de São Paulo
03/06/2008

Passageiro "surta" e obriga avião a pousar em Cumbica
Homem quebrou uma lanterna de dentro da aeronave e xingou outros ocupantes
Airbus da TAM teve que pousar emergencialmente em Cumbica após sair de Congonhas rumo a Brasília; PF precisou ser chamada

RAFAEL TARGINO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM BRASÍLIA

Um Airbus A-320 da TAM precisou fazer um pouso de emergência no aeroporto de Cumbica (Grande SP) ontem à tarde, logo após sair de Congonhas (zona sul) com destino a Brasília. Um passageiro supostamente com problemas mentais precisou ser retirado pela Polícia Federal após ter uma espécie de "surto psicótico" e quebrar uma lanterna dentro do avião com um chute.

O passageiro, que estava sentado próximo à saída de emergência, não teve o nome revelado pela companhia aérea.

Ele começou a gritar palavrões já durante a decolagem em Congonhas, obrigando os comissários a tentar controlá-lo enquanto o sinal para atar os cintos ainda estava ligado.

Pelo alto-falante, os comissários perguntaram se havia algum médico a bordo, mas ninguém se manifestou. Irritados, alguns passageiros chegaram a xingá-lo durante o vôo, em que estavam o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) e a deputada Luiza Erundina (PSB-SP).

O comandante foi chamado, e um dos comissários amarrou as pernas do homem com uma gravata, enquanto o vôo era desviado para Cumbica - o que levou ao menos 15 minutos.

Um esquema especial foi preparado para o pouso da aeronave em Cumbica, com carros da segurança da Infraero e ambulâncias. Pelo menos dois policiais federais subiram no avião para retirar o passageiro. Ele foi levado a um hospital, onde foi medicado e liberado logo em seguida.

Toda a operação, que incluiu o conserto da lanterna quebrada, levou aproximadamente 40 minutos. O avião chegou a Brasília duas horas depois do horário previsto.

Pelo menos um passageiro desistiu de continuar a viagem na aeronave. Até o fechamento desta edição, a TAM não havia comentado o caso.

 

 

Coluna Claudio Humberto
03/06/2008

Mercadão aéreo

Aquecido, o mercado de aviação regional do Brasil virou uma espécie de grande Rua 25 de Março para o serviço de entrega de mercadorias no interior. Quem tem avião sobrando vem recebendo propostas de compra.

 

 

Valor Econômico
03/06/2008

Tucano nos EUA

A Embraer está participando de oferta direta para fornecer oito modelos Super Tucano ao governo dos EUA. As aeronaves, que custam entre US$ 5 milhões e US$ 10 milhões, devem ser empregadas para vigilância armada. A empresa também anunciou a venda de dois Embraer 190 para o governo brasileiro, por US$ 84 milhões cada.

 

 

Jornal do Brasil
03/06/2008

Aeronáutica compra jatos da Embraer por R$211 milhões para autoridades
Alex Rodrigues, Agência Brasil

BRASÍLIA - O comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, assinou nesta segunda-feira, um contrato para a compra de dois jatos construídos pela Embraer. Ao custo de R$ 84 milhões cada, mais o apoio logístico inicial, o que eleva o valor do "pacote" para R$ 211 milhões, os novos aviões, modelo EMB-190, vão substituir os dois Boeings 737-200 utilizados no transporte de ministros, secretários especiais e autoridades dos poderes Legislativo e Judiciário.

A assinatura do contrato ocorreu na seda da empresa, em São José dos Campos (SP). Segundo a assessoria do Comando da Aeronáutica, os Boeings que serão substituídos voam desde 1976 e ainda são usados sempre que ocorre algum problema com o avião presidencial, o Santos Dumont, adquirido no início de 2005.

Os dois novos jatos serão operados pelo Grupo de Transporte Especial (GTE) da Força Aérea Brasileira (FAB), que já trabalha com outros modelos fabricados pela Embraer, como o ERJ 145, o Legacy 600 e o EMB-120 Brasília. A previsão é de que a primeira aeronave seja entregue até março de 2009. O segundo EMB-190 estará pronto até novembro de 2009. O chamado "apoio logístico" envolve o fornecimento de peças de reposição, assistência técnica, publicações e o treinamento das tripulações e de mecânicos.

Em nota, a Aeronáutica justificou a compra alegando “carências operacionais e logísticas, além do aumento dos custos” envolvidos na utilização dos Boeings-737-200. Segundo a nota, até o início da década de 1990, a manutenção das aeronaves era feita pela Vasp, depois substituída pela Varig. A partir de 2003, quando a Varig deixou de operar com esse modelo de avião, a Aeronáutica começou a enfrentar dificuldades não só para encontrar profissionais que fizessem a manutenção das aeronaves, mas também peças de reposição.

Entre os aviões a serem substituídos está o que, na última sexta-feira, teve de regressar ao aeroporto de San Salvador após um problema com um dos vidros do pára-brisa, minutos depois da decolagem. A aeronave trasportava parte da comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de volta da viagem oficial a El Salvador. Um dos passageiros era o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge.

Segundo a Embraer, os novos jatos serão configurados com sistemas especiais de comunicação e terão capacidade para transportar cerca de 40 passageiros. As aeronaves terão autonomia para, partindo de Brasília, voar para qualquer ponto da América do Sul e contarão com áreas privativas para o presidente da República, além de espaço para reuniões.

Além dessas aeronaves de transporte, a FAB também utiliza aviões militares projetados e fabricados no país, como o AMX, o Tucano, o Super Tucano e os aviões de inteligência, vigilância e reconhecimento usados no Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam).

 

 

Mercado e Eventos
03/06/2008

OceanAir inaugura novo site

Mais dinâmico, funcional e com visual moderno, o novo site da OceanAir Linhas Aéreas está no ar. A partir de agora, o usuário terá acesso direto à compra de passagens e área exclusiva do Programa de Relacionamento Amigo.

Além disso, o novo site traz informações sobre os principais destinos onde a empresa opera. Com três opções de idiomas - português, inglês e espanhol, o website disponibiliza também dados completos sobre horários e rotas de todos destinos cobertos pela companhia aérea.

"Com essa melhoria, a OceanAir facilita ainda mais a navegação de clientes e visitantes, com acesso prático e rápido a todas as informações de interesse", afirma o diretor executivo da empresa, Renato Pascowitch.

Além de contar com as melhores tarifas mercado, o passageiro da OceanAir usufrui de benefícios exclusivos, como maior espaço entre as poltronas (10% maiores que das demais companhias aéreas) e serviço de bordo diferenciado.

 

 

O Globo
03/06/2008

 

 

O Globo
03/06/2008

 

 

Site da AMVVAR
02/06/2008

Associações em BSB

No último dia 28 o Presidente da Amvvar, Oscar Burgel, o Assessor Previdenciário, Nelson Cirtoli e o Advogado das associações, Dr. Otávio Bezerra Neves estiveram em Brasília, para cumprir uma agenda de visitas.

- Uma agenda extra, que não estava programada foi a participação na missa mandada rezar em memória do Senador Jefferson Peres. A comitiva teve a rara oportunidade de ouvir os senadores presentes, um a um se perfilando diante do microfone, para com uma frase curta definir, ou lembrar o que foi o ícone da moralidade e da ética no Congresso Nacional em todos os tempos, recentemente falecido. Se a um de nós fosse dada a palavra, a frase escolhida poderia ser: "... a Varig não é uma empresa qualquer!", dita em plenário, pelo Senador Jefferson, na época da entrega da Varig a um laranja internacional e que marcou a lembrança de todos nós variguianos. Mais do que ninguém nós o entendemos! Infelizmente, quem deveria tê-lo entendido, o Presidente Lula e parte do Judiciário, não o entenderam.

- Ciceroneados pela Deputada Luciana Genro, em agenda pré-combinada em reunião com as associações em Porto Alegre mantiveram contato com a Ministra Carmem Lúcia, relatora do processo de congelamento tarifário. Aos questionamentos a Ministra respondeu que o processo cumpre ritos processuais obrigatórios, daí a demora no andamento do processo, mas que está ciente das privações que os beneficiários estão sofrendo, pois recebeu centenas de e-mails sobre o assunto. Que tudo está sendo feito para agilizar o julgamento, que deverá ser efetuado em plenária, para maior discussão, no segundo semestre.

- Reuniram-se também com o Presidente Interino do PDT, Dep. Vieira da Cunha, para atualização a respeito da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN), que o Partido move, onde questiona a Lei que regulamenta a recuperação judicial, por entender que esta, conflita com a Constituição Federal. Como bem sabemos a Lei que regulamenta a recuperação judicial foi usada para demitir os empregados da Varig, dando a entender, que os novos controladores estariam isentos de suas obrigações trabalhistas. Os advogados, Dr. Otávio Neves e Sebastião Motta, das associações representam o PDT, nesta ADIN. Vieira da Cunha se colocou a disposição salientando, que a defesa dos direitos trabalhistas é uma das linhas mestras que norteiam o partido.

- Visitaram o Gabinete do Dep. João Dado, para acompanhamento da proposição, junto à Comissão de Seguridade Social e Família - CSSF, de fiscalização pelo Tribunal de Contas da União – TCU, junto à Secretaria de Previdência Complementar – SPC, quanto ao cumprimento da Lei n° 6.435/77 e ratificada pela Lei Complementar 109/01 e demais correlatas, por parte do Instituto Aerus de Seguridade Social. A referida proposição do Dep. João Dado, atende uma solicitação das associações: Amvvar, Acvar e Apvar.

- Por fim, estiveram no Gabinete do Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias – CDHM, Dep. Pompeu de Mattos, para acompanhar a instalação da Audiência Pública, solicitada pelas associações, que debaterá o desrespeito aos Direitos Humanos, dos trabalhadores da Varig e beneficiários Aerus.

 

 

Revista Consultor Jurídico
02/062008

Acidente da Gol
Justiça Federal e Militar julgam controladores de vôo

Os controladores de vôo envolvidos no acidente com o avião da Gol, em 2006, responderão processo na Justiça Federal e na Justiça Militar. O Superior Tribunal de Justiça entendeu que não há conflito de competência, conforme suscitado pelo Ministério Público Federal, e negou o pedido do MPF para que o Supremo decida o assunto. A decisão foi tomada pelo vice-presidente do STJ, ministro Cesar Asfor Rocha.

Para ele, o recurso do MPF é inadmissível porque os dispositivos e requisitos constitucionais indicados como contrariados não foram pré-questionados, o que atrai a incidência da Súmula 283 do STF. O texto veda a admissão de Recurso Extraordinário quando não discutida, na decisão recorrida, a questão federal suscitada. Além disso, Asfor Rocha ressaltou que não foram apresentados Embargos de Declaração para sanar eventuais defeitos da decisão da 3ª Seção do STJ.

Os ministros da 3ª Seção entenderam que não havia conflito de competência a ser resolvido, como argumentava o MPF. Quatro dos controladores de vôo respondem processos nas Justiças Federal de Mato Grosso e Federal Militar da Circunscrição Judiciária do Distrito Federal, pelo acidente aéreo que ocasionou a queda do Boeing da Gol no município de Peixoto de Azevedo (MT).

Os controladores de vôo Felipe Santos dos Reis, Jomarcelo Fernandes dos Santos, Lucivando Tibúrcio de Alencar e Leandro José dos Santos de Barros foram denunciados, junto à Justiça Federal, por atentado contra a segurança de transporte aéreo, definido de modo diferente na legislação militar.

Na ação em curso na auditoria da 11ª Circunscrição Judiciária Militar do Distrito Federal, Felipe, Lucivando e Leandro foram denunciados pelo crime de inobservância de lei, regulamento ou instrução, previsto exclusivamente na legislação militar.

Na mesma auditoria, Jomarcelo dos Santos responde por homicídio culposo, que tem igual definição na lei penal comum e na militar. Dessa forma, o crime atribuído a ele deve ser submetido à jurisdição militar, porque praticado, segundo a denúncia, por militar em serviço contra civis.

 

 

Coluna Claudio Humberto
02/06/2008 - 21:38h

Lula compra 2 jatos de R$ 84 milhões

O brigadeiro Juniti Saito, comandante da Aeronáutica, assinou hoje na Embraer, em São José dos Campos (SP), o contrato de compra dos dois jatos EMB-190/195, versão executiva, para servir ao presidente Lula.

Vão substituir os "Sucatinhas", velhos Boeing 737-200 com cerca de 34 anos de uso, utilizados como reservas do Airbus 319 presidencial. Cada um custará R$ 84 milhões. A previsão é de que a primeira aeronave seja entregue em março de 2009 e a segunda em novembro do mesmo ano. Segundo Saito, a substituição deve-se ao desgaste natural dos aviões do governo, que têm gerado um elevado custo operacional.

Coluna Claudio Humberto
02/06/2008 - 18:36h

Irregularidades fazem Anac proibir OceanAir de vender passagens aéreas

A Agência Nacional de Aviação Civil enviou ofício à empresa aérea OceanAir, nesta segunda-feira, proibindo-a de vender passagens para vôos com destino ao Aeroporto de Ipatinga (MG). A empresa foi autuada quatro vezes e a Anac alegou a necessidade de proteger os consumidores, já que empresa não estaria comunicando ao público sua impossibilidade de utilizar o aeroporto daquela cidade mineira desde 29 de maio.

A OceanAir operava o vôo direto Congonhas (SP)-Ipatinga com uma aeronave Fokker 50, com capacidade de 60 passageiros, mas, sem nenhum prévio aviso à Anac, passou a utilizar um Fokker 100, com 108 assentos. Pela legislação, aeroportos que recebem aviões com capacidade superior a cem pessoas são obrigadas a realizar inspeção de bagagem, seja por equipamentos de raio-X ou inspeção manual. O aeroporto de Ipatinga não dispõe desse serviço.

 

 

Pernambuco.com
02/06/2008 - 18h22

Gol e Oi lançam check-in pelo celular
Da Agência Globo

A companhia aérea Gol fechou parceria com a operadora Oi para oferecer o check-in pelo celular. A iniciativa acaba de entrar em operação no Aeroporto Santos Dumont, no Rio, para os vôos da ponte aérea. Em breve, o serviço deve estar disponível em mais aeroportos do Brasil e para clientes de outras operadoras. Com o sistema de check-in móvel, os dados são enviados para o celular do clilente por mensagem SMS a partir de 24 horas antes do vôo ou no momento em que o usuário chega ao aeroporto, já que o sistema reconhece que o aparelho do usuário está no local. A mensagem inclui o código de barras 2D para acesso ao portão de embarque, número e horário do vôo e o número da poltrona.

Para utilizar o sistema é necessário cadastrar o celular na hora da compra da passagem, preencher os dados solicitados e escolher o assento. O código de barras, que é enviado ao celular do cliente, deve ser apresentado para o funcionário da companhia no portão de embarque. Após a leitura, o cliente recebe um mini-cartão de embarque para apresentação a Infraero.

Futuramente, a Gol planeja eliminar a impressão do papel. Por enquanto, o serviço é válido apenas para passageiros sem bagagem ou com bagagem de mão. Mais informações sobre o check-in móvel da Gol estão disponíveis no site da companhia.

 

 

A Tarde Online
02/06/2008 - 12:10h

IATA: indústria aérea prevê prejuízos bilionários em 2008
Agencia Estado

A indústria aérea já prevê prejuízos bilionários em 2008 diante da alta nos preços dos combustíveis. Ontem, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês) anunciou que poderá fechar o ano com uma dívida de US$ 2,3 bilhões se a média do barril de petróleo ficar em US$ 106,00. Mas se a média chegar a US$ 135,00 o barril, as perdas chegariam a US$ 6,8 bilhões. Mais de 20 empresas já deixaram de voar.

Presidida pelo brasileiro Fernando Pinto, a entidade realiza sua reunião anual diante de um cenário preocupante e aprovou uma resolução unânime entre as mais de 240 empresas aéreas pedindo a intervenção dos governos para salvar o setor. No caso do Brasil, Pinto quer o fim das taxas da Infraero, consideradas como abusivas e que gerariam aos cofres públicos US$ 1 bilhão.

No início do ano, a previsão era de lucros de US$ 4,5 bilhões, depois de seis anos de perdas. Mas a previsão foi feita com base em um barril de petróleo a US$ 86,00.

Segundo a entidade, a cada dólar que o petróleo sobe, as empresas são obrigadas a gastar, conjuntamente, US$ 1,6 bilhão a mais em combustível. Para o diretor da Iata, Giovanni Bisignani, os gastos apenas com o petróleo na indústria chegarão a US$ 176 bilhões neste ano, US$ 40 bilhões a mais que em 2006. Em 2002, a conta total do petróleo foi de apenas um quarto do que vai se gastar em 2008. Para tentar pressionar os governos a dar novos incentivos à indústria, a Iata aprovou ontem uma resolução apelando para a ajuda de governos, sindicatos e aeroportos.

"Tempos difíceis pedem medidas extraordinárias. As empresas aéreas são motores da prosperidade global e um fracasso no setor mandaria ondas de choque a toda a economia mundial", alertou Pinto. Segundo ele, o setor emprega 32 milhões de pessoas. Nos últimos 60 anos, as empresas movimentaram US$ 11,5 trilhões. Mas a dívida acumulada chega a US$ 190 bilhões hoje.

Entre as medidas pedidas pela Iata estão o fim das taxas que os governos, como o do Brasil, colocaram nos últimos anos para tentar financiar investimentos em aeroportos. Outro apelo é para que haja uma maior liberdade de rotas e acordos de céus abertos. "Estamos em uma tempestade", afirmou Bisignani.

 

 

O Globo Online
02/06/2008 às 11h39m

Varig recebe terceiro avião Boeing 737-700NG que será utilizado na ponte-aérea Rio-São Paulo
(José Sergio Osse | Valor Online)

SÃO PAULO - A Varig, subsidiária da Gol, anunciou ter recebido no fim da semana passada mais uma aeronave Boeing 737-700NG. O aparelho, que já foi integrada à frota, é o terceiro desse modelo a ser utilizado pela companhia.

O novo avião será utilizado em vôos do lucrativo trecho de ponte-aérea entre o Rio de Janeiro e São Paulo.

Segundo a empresa, a aeronave será importante para reduzir os custos no trecho, uma vez que consome cerca de 7,1% menos combustível que outras aeronaves dessa categoria.

ACESSE OS SITES DAS ASSOCIAÇÕES E FIQUE BEM INFORMADO
www.amvvar.org.br - www.acvar.com.br -www.apvar.org.br