RIO DE JANEIRO - 12 DE JULHO DE 2008

TRIBUNA DA IMPRENSA
11/07/2008

DE COMO RASGAM AS LEIS TRABALHISTAS NO "SAPATINHO"
Pedro Porfírio

"A Lei 11.101/05 é uma forma nova de extinção do emprego, sem garantir qualquer indenização ao empregado ou impor qualquer responsabilidade ao adquirente".
Ação Direta de Inconstitucionalidade 3934/07, assinada pelo Partido Democrático Trabalhista

Quando insisto na denúncia do crime cometido por influência do compadrio contra os trabalhadores da Varig não penso apenas nesse admirável plantel. O que se vê aí é a "mãe de todas as maldades" contra os direitos trabalhistas, segundo uma velha estratégia, a mesma adotada por Mao Tse-Tung quando tomou Xangai. De posse da maior cidade chinesa, as outras cairiam como pedras de dominó.

O que está em jogo é, portanto, muito mais do que o massacre de uma corporação através da desnacionalização-doação da mais antiga empresa brasileira de aviação. Além da desestruturação de todo o sistema aéreo, por sua marca internacional, a Varig entra como "laboratório" de experimento da liquidação dos direitos trabalhistas por vias transversas, mas fulminantes.

A chamada Lei de Recuperação das Empresas é o primeiro grande golpe assestado no coração do acervo de legislações sociais, produzidos na era Vargas, que FHC jurou detonar e que só agora começa a desmoronar, no governo de um sindicalista que sempre desdenhou de tudo o que se conquistou antes do seu aparecimento no bojo do chamado novo sindicalismo.

No caso da Varig, o primeiro diagnóstico demonstra a falácia da "recuperação da empresa", processo legal que só serviu para encobrir a transferência nada oculta de seus 80 anos acumulados de conhecimento e prestígio para um fundo abutre norte-americano, que fez o mais peralta "negócio da China", aliás com a assinatura de um ágil operador chinês, o endiabrado Lap Chan, que deve ter estudado nos seus livros o efeito da conquista de Xangai.

Isto quer dizer que o modelo poderá ser aplicado em qualquer outra empresa, sem qualquer tipo de salvaguarda social. No caso da Varig, ainda houve um agravante dramático: junto com o massacre do pessoal demitido sem ver um centavo das verbas rescisórias, sucumbiu também o seu fundo de pensão, credor de 3 bilhões da empresa, que não tem a menor idéia de quando verá a cor do dinheiro sonegado.

Falácia da recuperação

Uma análise da aplicação da Lei 11.101/05 mostra que o processo seguido tornou letra morta o seu artigo 47, que pomposamente prescreve:

"A recuperação judicial tem por objetivo viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira do devedor, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica".

Na prática, a manutenção da própria empresa como fonte produtora; a do emprego dos trabalhadores; e dos interesses dos credores (seus pagamentos) não aconteceram. Antes, pelo contrário.

É o que fica claro na análise dos pilares da Lei 11.101 aplicados ao caso da Varig, tomando por base números da própria Gol, que a comprou do fundo norte-americano por uma grana superfaturada.

Pilar 1 - Manutenção da empresa (como fonte produtora)

Muitos dias antes de 8 de maio de 2008, em 24 de abril, segundo sua própria página na internet, a empresa VRG já havia determinado o encerramento de atividades em todos os seus vôos internacionais de longa distância, fazendo com que a chamada "recuperação" da Varig hoje se resuma a uma empresa que ocupa menos de 8% do mercado e abandonou completamente a navegação aérea de longa distância aos concorrentes - especialmente os estrangeiros.

Registros da Anac em abril indicam que as 36 aeronaves mantidas na frota da VRG, qu ase dois anos após sua "recuperação", atendem a não mais que 7,96% da demanda existente (ou seja, 0,22% do mercado por avião), percentual cuja comparação com os 0,55% de mercado por aeronave de sua controladora Gol indica grande probabilidade de vermos a empresa alegadamente "recuperada" ser ainda mais encolhida em futuro próximo.

Na balança de pagamentos, o Brasil perdeu mais de 90% dos 1,3 bilhão de dólares em ingressos com a destruição da Varig, pois as demais empresas nacionais não conseguiram ocupar mais que 10% das rotas anteriormente servidas pela empresa "recuperada".

Em resumo: no pilar manutenção da empresa o fracasso aponta para redução brutal nas suas operações, com todas as rotas de longo curso abandonadas e os 4 cantos do mundo vazios da bandeira da Varig.

Pilar 2 - Manutenção do emprego (dos trabalhadores da empresa em recuperação)

Quanto à manutenção do emprego dos mais de 10.000 trabalhadores da Varig, temos que em 28 de fevereiro de 2008 a VRG também publicou em sua página da internet ter empregado exatamente 850 ex-funcionários da Viação Aérea Rio-Grandense, para uma malha servindo 140 vôos domésticos por dia, além de destinos internacionais.

Ainda na internet, a mesma VRG declara que teria ao final de fevereiro 1.119 comissários e 246 chefes de cabine, totalizando 1.365 tripulantes de atendimento. Com 2 pilotos para cada 8 comissários, conclui-se que a VRG teria então 1.535 aeronautas em seus quadros e sendo o número de aeronautas equivalente a 45% do total de funcionários da empresa, a VRG teria 3.410 funcionários.

Assim, menos de um quarto dos funcionários da empresa "recuperada" é originado das empresas ditas em recuperação. Menos de um quarto do total de funcionários em uma empresa que segundo se alardeou largamente em seu plano de "recuperação" estava destinada a manter postos de trabalho dos funcionários da Varig.

Enquanto isto, na chamada Flex (a Varig que teria sobrado), um verdadeiro cabide de empregos se apresenta, com 300 e tantos funcionários para fazer operar uma única aeronave. Caso esta proporcionalidade fosse adotada na VRG, com 36 aeronaves, todos os 10.000 funcionários que foram vitimados pela "recuperação" da Varig estariam hoje empregados...

Em resumo: no pilar manutenção do emprego o fracasso aponta para 100% ilegalmente demitidos e sem receber seus direitos trabalhistas, com mais de 75% atualmente desempregados.

Pilra 3 - Pagamento aos credores (manutenção dos seus interesses)

Já no pilar que exige o pagamento dos credores, podemos verificar que da dívida original de cerca de 8,5 bilhões de reais, sequer 1% chegou a ser pago até o momento e só a manutenção do cabide de empregos na chamada Flex já consumiu muito mais do que isto.

Ao mesmo tempo, graças à não amortização do valor devido, o montante já ultrapassa hoje 10 bilhões de reais pelos juros e correção monetária acumulados enquanto o patrimônio se deteriora para atender o desejo de quem se interessa por manter a suposta "recuperação".

Em resumo: no pilar manutenção do interesse dos credores o fracasso aponta para menos de 1% das dívidas quitadas e o contínuo desperdício de milhões na manutenção de uma empresa simplesmente de fachada.
Voltarei ao assunto.

 

 

O Estado de São Paulo
12/07/2008

American Airlines e Varig fazem acordo

A companhias aéreas Varig e American Airlines anunciaram ontem um acordo que permite que cada companhia possa vender passagens conjugadas com trechos da parceira. Com esse acordo, o passageiro não precisa mais comprar duas passagens de companhias diferentes se optar por destinos que fazem parte da parceria entre a American e a Varig. As bagagens também poderão ser retiradas apenas no destino final, mesmo se a viagem tiver conexão.

 

 

O Estado de São Paulo
12/07/2008
Embraer vende 5 jatos para empresa chinesa

A Embraer anunciou ontem a assinatura de um contrato para venda de cinco aviões E-190 para a Kun Peng Airlines, uma das principais operadoras de aviação regional na China. O valor do negócio, pelo preço de tabela, é de US$ 187,5 milhões. Os aviões, configurados para acomodar 98 passageiros, começarão a ser entregues este ano. “Sempre acreditamos na expansão da aviação regional na China”, disse Mauro Kern, da Embraer.

 

 

O Estado de São Paulo
12/07/2008

Pneu de aeronave estoura e fecha pista

Um acidente, às 15h15 de ontem, com um avião da OceanAir levou à interdição, durante a tarde, de uma das pistas do Aeroporto Internacional de Guarulhos (Cumbica), em São Paulo. Quatro dos oito pneus de um MK-28 (antigo Fokker 100), do vôo 6184 procedente de Brasília, com 86 passageiros, estouraram ao pousar no Terminal 2 do aeroporto. Não houve feridos.

 

 

Jornal do Brasil
12/07/2008

Avião estoura quatro pneus ao pousar em Cumbica
São Paulo

Uma das duas pistas do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, ficou interditada ontem por três horas por causa de um problema em uma aeronave da companhia Ocean Air, que, segundo a (Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), teve os quatro pneus estourados durante o pouso, às 15h18. O avião, um Fokker 100, fazia o vôo 6184, que partira de Brasília em direção ao aeroporto internacional de São Paulo.

A Ocean Air informou que o fechamento da pista ocorreu porque não houve como fazer a retirada do avião imediatamente da pista. Segundo a empresa, os 86 passageiros foram retirados do avião cerca de uma hora depois e deslocados para o interior do aeroporto. A pista só foi liberada às 18h30. A empresa informou ainda que não houve pânico e todos os ocupantes da aeronave desembarcaram normalmente. As causas do acidente ainda não foram divulgadas. A Ocean Air afirmou apenas que vai apurar o que pode ter provocado o estouro dos pneu durante o pouso.

ACESSE OS SITES DAS ASSOCIAÇÕES E FIQUE BEM INFORMADO
www.amvvar.org.br - www.acvar.com.br - www.apvar.org.br