Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Sábado, 07 de Dezembro de 2019
06/12/2019

Avançar >   Última >>

G1 - O Globo
06/12/2019

'Cheiro forte de fumaça a bordo', relatou piloto de avião que fez pouso de emergência no Recife
Diálogos com a torre de controle, divulgados pelas redes sociais, mostram procedimentos adotados pelo voo 2709, que saiu do Recife para Fortaleza e voltou, na terça (3)

“Cheiro forte de fumaça a bordo. Retornando de imediato”. Foi assim que o piloto do voo 2709, da Azul Linhas Aéreas, que fez um pouso de emergência, no Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre, na manhã de terça-feira (3), comunicou o problema ao controle de tráfego aéreo.

A aeronave da Azul, que partiu com destino a Fortaleza (CE), teve que voltar à capital pernambucana. Por causa desse procedimento, a pista ficou fechada por 25 minutos. Segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), a companhia informou que o avião teve problemas técnicos.

No áudio, divulgado em redes sociais, é possível acompanhar os procedimentos adotados pela tripulação do avião e os diálogos com o controle (confira o áudio abaixo).

Audio da Cabine.

Em um dos trechos, a operadora que está na torre de controle pergunta se o avião precisa de apoio no solo. “Após o pouso, vai parar na pista e aguarda apoio no solo”, diz o piloto do avião.

“Azul 2709, os bombeiros já estão a postos”, afirma o controle. Em seguida, completa a informação: “Os bombeiros já estão jogando água na aeronave e procurando focos de fogo. Sem previsão de liberação”.

O tripulante responsável pela comunicação diz “Ok. Sem previsão. Vamos falar com a empresa aqui. Pergunta se eles (bombeiros), no visual, conseguem encontrar alguma marca de fogo e fumaça perto da cabine, na parte dianteira da aeronave e perto da escada”.

O tripulante prossegue: “Estamos cortando os motores e vamos solicitar reboque até a posição”. O controle de tráfego aéreo informa que o avião pode ficar o tempo que a tripulação precisar e diz que está aguardando a informação dos bombeiros.

Em seguida, o controle afirma: “Foi reportado pelos bombeiros que não houve sinal de fogo”. E ressalta: “Não foi conformado sinal de fogo. Solicitando para que a aeronave seja rebocada”.

Depois, o piloto afirma que “a situação está controlada aeronave não apresenta mais nenhum tipo de risco”.

Por meio de nota, a Azul disse que não se pronunciaria sobre os diálogos entre a tripulação e o controle, mantendo as informações repassadas no dia do pouso de emergência. A empresa também ressaltou que “não houve fogo, mas sim um cheiro de fumaça".

Incidente
No dia do incidente, a Infraero explicou que o voo 2709 decolou do Recife por volta das 9h, mas a aeronave apresentou problemas e o piloto declarou emergência. O avião pousou na capital pernambucana às 9h21. A Azul apontou, em nota, que a aeronave seguiu para manutenção após o ocorrido (veja vídeo acima)

O plano de emergência do aeroporto foi acionado e a estrutura de apoio da Infraero foi mobilizada. A pista ficou interditada das 9h21 às 9h46, com todas as operações suspensas, disse a Infraero.

A Azul informou, ainda, que o desembarque dos passageiros aconteceu normalmente e que eles seguiram até o destino final em outra aeronave. A companhia lamentou o ocorrido e ressaltou "que ações como essa são necessárias para garantir a segurança de suas operações".

Outros casos
Em agosto, um avião da Gol retornou ao Aeroporto do Recife por causa de problemas mecânicos. A aeronave, que fazia o voo 1861, seguia para o Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão/Tom Jobim.

Um dia antes, um boato sobre uma bomba dentro de um avião atrasou um voo. De acordo com a Polícia Federal (PF), o caso foi comunicado por um passageiro, dentro da aeronave, mas a informação não procedia.

 

 


Avançar >   Última >>

Página Principal