<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>
  • https://www.aeroin.net/
    25/11/2020

    Depois de ônibus, trens: pilotos de avião suíços podem se tornar maquinistas
    Após comandantes de Airbus A380 na Austrália terem que virar motoristas de ônibus para se sustentar, a solução agora chega na Suíça, que pode ter seus pilotos comandando trens.

    A ideia surgiu após diversos pilotos no mundo inovarem para manter as contas em casa, seja o comandante do maior avião do mundo virando motorista de ônibus ou um piloto de A330 fazendo entregas com sua moto numa espécie de iFood.

    Na Suíça, a proposta está sendo feita pelo sindicato local dos pilotos, o Aeropers, representando os tripulantes da SWISS Airline e de sua subsidiária, a Edelweiss Air.

    Segundo o jornal francês Le Point, faltam por dia 30 maquinistas na SBB – Schweizerische Bundesbahnen, a rodovia federal suíça, uma das mais tradicionais e famosas do mundo.

    A falta atinge tanto o setor ferroviário de cargas quanto de passageiros, essenciais para o país encravado nas montanhas. O jornal destaca que o treinamento para maquinistas do “zero” dura até 16 meses, e que após isso o salário é de $ 6 mil francos suíços, equivalente a $ 35 mil reais mensais.

    “Muitas coisas são similares, como a fascinação pela tecnologia, transporte de pessoas e cargas do ponto A ao ponto B, o senso de segurança e responsabilidade. Aos nossos olhos, é uma situação que todos ganham. Pedimos que os funcionários pensem fora da caixa”, afirma Roman Kälin, porta-voz da Aeropers.

    A conversa entre a SWISS e a SBB já começaram, e os pilotos podem ter tempo de treinamento reduzido. Outro ponto a se destacar entre a proximidade da realidade da ferrovia com a da aeronáutica é que na Suíça os trens são integrados aos voos, com despacho de bagagem na estação de trem, sendo que o passageiro só retira suas malas no destino.

    A pontualidade suíça é cobrada tanto nos trens como nos voos, então os pilotos já estão acostumados com o ritmo, além de muito certamente utilizarem o meio de transporte ferroviário na sua rotina. Outra boa notícia é que o quepe será mantido!

     

     

    https://www.seudinheiro.com/
    25/11/2020

    Centro de treinamento de pilotos da Varig vai a leilão
    Funcionários, que esperam há 14 anos por uma solução para o pagamento de indenizações, querem que 80% do valor arrecadado seja rateado entre os 13 mil ex-empregados
    Estadão Conteúdo

    O último ativo de valor da Varig, o Centro de Treinamento de Pilotos, irá a leilão na quarta-feira, 25, no Rio de Janeiro. Os funcionários, que esperam há 14 anos por uma solução para o pagamento de indenizações, querem que 80% do valor arrecadado seja rateado entre os 13 mil ex-empregados, informam os organizadores de um protesto que será feito no evento.

    O Centro de Treinamento de Pilotos, na Ilha do Governador, zona norte do Rio, é uma área de 177.728 metros quadrados, e terá como lance inicial o valor de R$ 122 milhões. O local era considerado um centro de excelência no auge da empresa, e compreende um grande terreno com algumas edificações.

    De acordo com os organizadores do protesto, uma petição com 80 mil assinaturas será entregue ao juiz Alexandre de Carvalho Mesquita, da 1ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, responsável pelo processo de falência da companhia. Se não houver comprador, outro leilão será realizado em 9 de dezembro.

    A Varig entrou em recuperação judicial em 2006, mas teve sua falência decretada em 2010. Desde então, os ex-empregados lutam na Justiça para receber seus direitos trabalhistas. Segundo o ex-comissário de bordo, Luiz Motta, 27 anos de Varig, parte dos pagamentos aos empregados foi iniciada em 2017, mas até hoje milhares de pessoas aguardam por uma solução definitiva.

    "Vivemos até os dias de hoje numa luta árdua e injusta, pois recebemos, após muita luta e exposição, um rateio por ano, e apenas em 2017, 2018 e 2019", disse o comissário, que ressalta que a idade das pessoas envolvidas, e a especialidade em aviação, "setor que cada vez emprega menos pessoas", impediu que se recolocassem no mercado.

     

     


    << Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>