Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019
14/11/2019

<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>

14/11/2019
Boeing diz que crise do 737 MAX não afetará acordo com a Embraer
Avaliação é de Darren Hulst, diretor sênior de análise de mercado e suporte de vendas da Boeing
Por FOLHAPRESS

A gigante aeroespacial americana Boeing vive hoje uma crise "sem precedentes" devido aos problemas de seu modelo 737 MAX, mas o impacto dela não afetará a conclusão da negociação do acordo com a brasileira Embraer.

A avaliação é de Darren Hulst, diretor sênior de análise de mercado e suporte de vendas da Boeing. Em conversa com a reportagem, em São Paulo, ele buscou mostrar otimismo em relação ao caso do MAX.

O modelo é um dos mais bem-sucedidos lançamentos da história da aviação comercial, com mais de 5.000 pedidos e 350 entregas até o começo do ano. Foi quando tudo mudou, após a segunda queda de um avião do tipo, no caso da série 8, em cinco meses.

Investigações ainda em curso mostraram que um sistema automático de correção do ângulo de voo da aeronave provavelmente provocou as duas tragédias, que mataram 346 pessoas. O motivo, um software falho e falta de treinamento adequado de pilotos à situação em que a máquina entrava em ação. Somaram-se a isso acusações de negligência de diversas ordens, todas negadas.

Com isso, em março toda a frota mundial foi deixada no solo. A Boeing crê que terá liberação em janeiro de 2020, mas no mercado ninguém mais arrisca saber o destino do avião –até aqui, menos de 100 compras foram afetadas. No Brasil, a Gol operava 7 dos 135 MAX que encomendou, 30 dos quais do novo modelo, a série 10.
"Mantemos a confiança no MAX e em seu potencial. Na América Latina, 89% da demanda por aviões nas próximas duas décadas será por modelos de um corredor, como ele", disse Hulst, para quem o "impacto inicial" da crise não afetará eventuais investimentos no novo negócio no Brasil.

A reportagem conversou com executivos envolvidos na negociação entre Boeing e Embraer, sob reserva, e eles tendem a concordar com a avaliação de Hulst. Hoje o maior problema do acordo é passar por autoridades regulatórias europeias.

Num primeiro momento, não há necessidade de injeção maciça de capital além do que desembolso inicial: a Boeing acertou a compra de 80% do controle da área de aviação comercial da Embraer por US$ 4,2 bilhões (R$ 16,8 bilhões), mas é uma linha diversificada e pronta.

Assim, no curto prazo, os principais gastos seriam o desembolso em si pela fatia mais rentável da empresa brasileira e eventuais reposições de maquinário ou atualizações tecnológicas mais básicas. E a Boeing tem um faturamento na casa dos US$ 100 bilhões (R$ 400 bilhões) anuais.

Naturalmente, para tal avaliação valer é preciso que a Boeing consiga colocar novamente os MAX no ar. A crise já custou cerca de US$ 10 bilhões (R$ 40 bilhões), fora a depreciação de mercado.
O Brasil domina o mercado aéreo da região, com 40% do volume da América Latina. "Se crescer a 4% ou 5% ao ano, como prevemos, em 2020 já deverá ultrapassar o Japão e virar o quinto maior do mundo", diz Hulst. O ranking hoje tem EUA, China, Índia e Rússia à frente.

Nas previsões da Boeing, a demandas pelo produto primário adquirido na compra da Embraer comercial é baixa na América Latina: apenas 30 novos aviões regionais. Os grandes mercados são a Ásia e os EUA.

O Brasil tem também cerca de um quarto da frota atual de aviões, 1.590 unidades. Hulst prevê a adição de mais 2.690 aeronaves até 2038, mais que dobrando o total: 3.380 modelos no ar, entre antigos e novos. Será um mercado estimado em US$ 500 bilhões (R$ 2 trilhões).

A crise econômica tem efeitos, claro: o Brasil só em 2018 voltou ao nível de 2015 de passageiros, 118 milhões. Mas Hulst vê no aumento da classe média com acesso aeroportos o grande motor que puxa o crescimento do setor. "Na última década, foram 40 milhões de famílias a mais na classe média regional", diz.

Ele afirma que o crescimento previsto para os próximos 20 anos é de nove vezes entre empresas consideradas de baixo custo, o que Hulst concorda que não é uma realidade precisa por aqui, por englobar a virtual duopolista Gol, por exemplo, e 1,3 vezes no mercado das empresas ditas de rede.

A dominância hoje no mercado de aviões de um corredor na América Latina é do grande rival do 737, o Airbus A320 –no Brasil, operado pela Latam, enquanto a Gol vai Boeing e a Azul, de modelos regionais da Embraer no segmento.

A Boeing, criadora do conceito de avião gigante com o 747 há 50 anos, mantém a liderança nos chamados "widebodies": 63% do mercado, mais 68% das encomendas. Na América Latina, a demanda é pequena até 2038, de 270 aviões, ante 8.300 no mundo todo.

Mas seu principal produto no setor, o 777-X, está em apuros. Não tão sérios quanto os do MAX, claro, mas ainda assim preocupantes para a empresa: seu lançamento já foi adiado de 2020 para 2021, devido principalmente a um problema com a turbina do modelo bimotor. "Iremos superar, e o 777-X será o novo 747, só que muito mais eficiente", diz Hulst.

Economia de combustível é tudo nesse mercado, já que talvez 60% do custo de um voo seja seu querosene. Do ponto de vista ecológico, redução de emissões de carbono com motores mais eficazes é o mote, e o mercado cortou 70% do que emitia de poluentes no começo da era do jato, nos anos 1960.

Assim, o vetusto 747 segue com futuro apenas na sua encarnação como avião de carga, e o ultramoderno Airbus A380 foi tirado de linha pela fabricante europeia. Em comum entre os dois aviões, o uso de quatro turbinas.

 

 

eco.sapo.pt
14/11/2019

Viajar de avião é cada vez mais seguro, menos para as seguradoras
Se o tráfego no ar está mais seguro, a saturação dos aeroportos em passageiros, máquinas e aviões aumenta os riscos em terra. As seguradoras continuam sem ganhar dinheiro com este negócio.

É cada vez mais seguro andar de avião, conclui a seguradora Allianz na apresentação do do relatório Aviation-Risk-Report-2020, que a sua filial AGCS realizou em associação com a Universidade de Aeronáutica Embry – Riddle, nos Estados Unidos da América. Contudo, isso não significa que este não seja um negócio com risco para o setor segurador. Há riscos e são cada vez mais onerosos.

Se entre os anos de 1959 e 2017 houve 29.298 mortos em 500 acidentes com aviões a jato, entre os anos 2008 e 2017, registaram-se 2.199 mortes em sete acidentes de passageiros, em voos comerciais, em todo o mundo, o que representa um decréscimo de 8% do total, desde 1959. No ano de 2017, pela primeira vez em 60 anos, não ocorreu nenhuma morte por queda de avião.

Aliás, o estudo, que resulta de uma análise a mais de 50 mil participações e queixas apresentadas a seguradoras entre 2013 e 2018, destaca o facto de os últimos anos terem sido “dos mais seguros” na história da aviação mundial. Segundo informação de 2017, do National Safety Council dos Estados Unidos mas usando estatísticas mundiais, a probabilidade de alguém morrer num desastre de avião é de 188.364 para um, mais improvável só ser vítima de um raio em que o risco é 218.106 para um. Morrer pelo ataque de um cão tem uma probabilidade de 115.111 para um, mas de ser atingido por uma arma de fogo é já de 8.527 e a praticar ciclismo 4.047. No entanto, o maior risco é andar de carro onde a probabilidade de morrer por acidente ao longo de uma vida é de 1 em apenas 103.

No entanto, Dave Warfel, chefe regional de aviação da América do Norte da Allianz Global Corporate and Specialty (AGCS), afirma no referido estudo que “o grande volume e magnitude das reclamações tratadas pelas seguradoras da aviação, são, geralmente, subestimados”. E adianta: “A todo o momento, a Allianz processa, sozinha, milhares de reclamações do setor da aviação, incluindo aeroportos e fabricantes. Muitas das queixas dizem respeito a escorregões e quedas mas, mesmo essas, podem ser muito caras”.

Apesar da análise de vários acidentes aéreos, como o da companhia Lion Air, em final de outubro de 2018 e, o da Ethiopian Airlines, em março passado, que registaram um total de 346 mortes, o relatório aponta para uma diminuição dos acidentes aéreos fatais.

Vários pontos positivos são apontados para o aumento da segurança em voo. Os aviões estão mais confiáveis, a cultura e sistemas de segurança melhoraram significativamente, muitos aperfeiçoamentos de design, incluindo aerodinâmicos e melhorias na instrumentação presente no cockpit tiveram um efeito enorme na redução de acidentes.

O estudo dá indicações das grandes realidades:

Relativamente a queixas e participações a seguradoras, as tendências para 2020, segundo o estudo a AGCS, são:

Quais os grandes riscos que as seguradoras enfrentam:

Estando o terrorismo fora desta equação, mais objetiva e previsível, o estudo da AGCS reforça a maior segurança que existe ao viajar de avião. Apesar de existirem menos probabilidades de acontecerem incidentes, como há mais aviões no ar e em terra, haverá maior número de ocorrências.

 

 

Todahora.com
14/11/2019

Justiça autoriza leilão do Hotel Tropical; lance mínimo é de R$ 120 milhões
O despacho foi assinado pelo juiz Paulo Assed Estefan da 4ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Rio de Janeiro

A Justiça do Rio de Janeiro autorizou o leilão do Hotel Tropical. que acontecerá no dia 16 de dezembro. O lance mínimo será de R$ 120 milhões. O despacho foi assinado pelo juiz Paulo Assed Estefan da 4ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Rio de Janeiro.

O edital do leilão foi extraído dos autos da falência da FRB PAR Investimentos SA, Varig Participações em Serviços Complementares SA VPSC, Companha Tropical de Hoteis, Companhia Tropical de Hoteis da Amazônia, Tropical Hotelaria LTDA e Oceano Praia Hotel LTDA.

Os interessados na aquisição do Hotel Tropical deverão observar o lance mínimo, em primeira sessão, por valor igual ou superior a avaliação de R$ 182,1 milhões. Não havendo interessados na primeira sessão, deverão observar o lance mínimo arbitrado pelo Juízo, em segunda sessão, em R$ 120 milhões.

O leilão será realizado no Sindicato dos Leiloeiros do Rio, sob responsabilidade de Jonas Rymer.

Atividades encerradas

Inaugurado nos anos 70, fazia parte do grupo Varig. Na época, a principal empresa aérea do Brasil. Os 611 apartamentos viviam lotados de celebridades que pousavam na Amazônia. Mas a mesma Varig que fez o tropical decola derrubou o grande hotel da selva.

Em maio, o Hotel Tropical suspendeu as atividades comerciais por tempo indeterminado. A decisão do estabelecimento acontece após a Amazonas Energia cortar o fornecimento do local por uma dívida estimada em R$ 20 milhões.

Desde 2011, a administração do hotel não depositava o Fundo de Garantia nem o INSS dos novos funcionários que contratava e não pagou as rescisões de ninguém. A dívida trabalhista é milionária, podendo ultrapassar os R$ 20 milhões, de acordo com matéria do Fantástico, da TV Globo, exibida no mês passado.

O administrador da massa falida diz que o Tropical pode reabrir, mas é preciso aparecer alguém com os R$ 200 milhões em que o empreendimento foi avaliado.

 

 


<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>

Página Principal