Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019
18/07/2010

<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>

Zero Hora
18/07/2010

Prazo apertado para as obras
Medidas urgentes precisam ser tomadas para passageiros não voltarem a conviver com transtornos que marcaram caos aéreo

Sem modal ferroviário e com rodovias esgotadas, o transporte aéreo ganhará importância na Copa do Mundo de 2014 no Brasil.
Campeonato mundial em país de dimensão continental só houve há 16 anos, nos Estados Unidos, quando jogadores e torcedores atravessaram o território americano para acompanhar jogos de seus países. Para 2014, a Fifa já anunciou que pretende concentrar os grupos de seleções em quatro regiões do Brasil para evitar voos acima de duas horas de duração.

Especialistas recomendam medidas urgentes nos aeroportos para o caos aéreo não voltar a transtornar a vida de passageiros. Apesar de a Infraero, estatal responsável pelos aeroportos localizados nas 12 cidades-sedes, prometer investir R$ 6,48 bilhões em modernizações, especialistas em transporte aéreo projetam dificuldades para a estrutura aeroportuária atender ao aumento de demanda do país, quanto mais um evento de escala mundial.

– A Infraero anunciou investimento na parte física, mas não prevê nada em tecnologia – alerta Respicio Espirito Santo Jr., professor de transporte aéreo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), referindo-se a softwares que controlam bagagem ou que definem em que ponte de desembarque cada avião deve estacionar.

O especialista critica a falta de planejamento da estatal ao somente dar a largada nos investimentos motivada por “dois eventos de escala planetária” – a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro:

– Falta preocupação com o nível de serviço, de conforto para o passageiro e de eficiência nos terminais.

Procurada, a Infraero informou que o único executivo credenciado para dar informações sobre os investimentos é o diretor de Engenharia e Meio Ambiente, Jaime Henrique Caldas Parreira, que estava em viagem ao Exterior.

O presidente do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea), José Márcio Mollo, diz que “não compartilha do otimismo das autoridades” em relação ao andamento de ampliações de terminais e melhorias nos sistemas de pista:

– Não dá tempo de reformar os aeroportos.

Conforme Mollo, a construção de um terminal consome pelo menos cinco anos. O terceiro terminal de passageiros de Guarulhos, em São Paulo, por exemplo, recém teve homologada a licitação para a elaboração dos projetos de engenharia. O principal aeroporto do país é o mais caótico. Filas costumam se formar nos check-in e nas esteiras de raio X. Nas manhãs de nevoeiro, os equipamentos de navegação, defasados, deixam a pista fechada. A Infraero promete melhorar a estrutura para possibilitar pousos e decolagens mesmo nos dias de denso nevoeiro.

É importante desafogar os aeroportos paulistas porque problemas na operação causam um efeito dominó no país. E não é apenas Guarulhos que está com o cronograma atrasado.

Uma das soluções apontadas pela Infraero para aliviar as operações em horários de pico seria a redistribuição de voos. Conforme a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Congonhas, Guarulhos e Santos Dumont (RJ) têm capacidade limitada para voos nos horários de pico, embora comportem novas operações nos demais períodos.

– Não adianta distribuir voos para horários menos movimentados, porque a maior parte das viagens são a negócio no país – diz Elton Fernandes, professor de produção e transporte da UFRJ.

Entre as cidades-sede da Copa de 2014, apenas Natal terá um novo aeroporto. O primeiro módulo do terminal de São Gonçalo do Amarante deverá ficar pronto em 2013.

 

 

O Estado de São Paulo
18/07/2010

Três anos após acidente da TAM, parentes criticam PF
AE - Agência Estado

Familiares de vítimas do voo 3054 da TAM criticaram ontem a investigação da Polícia Federal (PF) sobre o acidente ocorrido há três anos no Aeroporto de Congonhas. Eles defenderam os conclusões da Polícia Civil paulista, que indiciou dez pessoas, entre funcionários e dirigentes da Agência Nacional de Avião Civil (Anac), da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e da TAM. A PF culpa apenas os dois pilotos.

 

 

"O relatório da PF é totalmente equivocado", afirmou o jornalista Roberto Corrêa Gomes, cujo irmão, Mário, estava entre as 199 vítimas do desastre. "É fácil culpar quem já se foi", completou o empresário José Roberto Silva. A filha dele, Madalena, era comissária da TAM. "Discordo da posição de que os pilotos foram os culpados. A posição das manetes foi o fim da tragédia, não o início", assinalou o advogado Ronaldo Marzagão, que defende os integrantes da Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Voo TAM JJ 3054 (Afavitam).

 

Marzagão estava entre as dezenas de pessoas que ontem prestaram homenagens às vítimas no terreno da antiga empresa de cargas da TAM, em frente à cabeceira da pista do aeroporto, na zona sul da capital. Pretende-se construir no local o Memorial 17 de julho, em referência à data do acidente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
 

 

 

O Estado de São Paulo
18/07/2010

Air France detecta 4º problema em voos em 8 dias
RITA CIRNE - Agência Estado

O voo AF445 da Air France, que decolaria com 170 passageiros às 23h00 de ontem, na rota Rio-Paris, foi cancelado por apresentar um problema eletrônico e deverá partir na noite deste domingo. Foi o quarto problema com voos da companhias no período de oito dias.

 

 

Em 10 de julho, um avião da empresa, da rota Rio-Paris, fez um pouso não programado em Recife. Na ocasião, a companhia aérea informou que o motivo foi uma suspeita de bomba. No dia 13, um defeito técnico nos banheiros da aeronave do voo 443, interrompeu a viagem e fez com que o avião retornasse ao Rio, duas horas e meia após ter decolado do Aeroporto Tom Jobim. No dia 15, o voo que partiria de São Paulo para Paris foi cancelado devido a uma avaria na fuselagem do avião.

 

A empresa divulgou hoje uma nota sobre o voo cancelado ontem e informou que sobre os cancelamentos anteriores não há informações novas e já se posicionou em cada caso.

 

A nota diz que "A Air France confirma que o voo AF445 de 17 de julho de 2010, da rota Rio-Paris, com 170 passageiros, foi cancelado por um problema eletrônico e deverá partir na noite de 18 de julho. Este voo, operado por um A330-200, tinha saída prevista do Rio de Janeiro às 19h05 do sábado, dia 17. Os passageiros foram informados sobre a reprogramação do voo antes do embarque e receberam da Air France toda a assistência, como hospedagem, traslados, refeições e ligações telefônicas. A previsão de partida, com o novo número, AF 445A, é às 23h de hoje, domingo 18 de julho, com chegada em Paris às 15h10 de segunda-feira, 19 de julho."

 

No documento, a Air France pede desculpas pelos inconvenientes ocasionados aos passageiros e assegura que sua equipe está fazendo todo o necessário pelos seus clientes.

 

 

O Globo
18/07/2010

Air France cancela mais um voo por problemas técnicos

Pela quarta vez em pouco mais de uma semana, um voo da Air France com destino a Paris é cancelado por apresentar problemas. Na noite de sábado, o voo 0455, com saída marcada para às 19h05m do Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim, teve sua decolagem suspensa depois que foram constatados problemas elétricos no motor da aeronave, um Airbus A330-200, durante a inspeção técnica, informou a assessoria da empresa.

Depois de esperarem por cerca de quatro horas, os passageiros foram informados de que o voo havia sido remarcado para às 23h deste domingo, um atraso de 28 horas em relação ao horário original.

 

 

O Estado de São Paulo
18/07/2010

Novo Boeing 787 pousa pela primeira vez fora dos EUA
Aeronave fez 1º voo transatlântico até Farnborough, Inglaterra, onde será exposta em feira aeronáutica
Daniel Gonzales, do estadao.com.br, com agências

O novo ‘superavião’ de passageiros da fabricante norte-americana Boeing, o 787 Dreamliner, pousou na manhã deste sábado em Farnborough (Inglaterra), depois de ter feito seu primeiro voo transatlântico desde o Boeing Field, aeroporto próprio localizado em Everett, estado de Washington (Estados Unidos). O 787, com capacidade para até 330 passageiros, deve ser uma das grandes estrelas da feira aeronáutica inglesa de Farnborough durante a semana.

A nova aeronave representa uma mudança de conceito nos produtos da Boeing. Com um forte apelo ecológico, o 787 tem uma estrutura totalmente nova, 50% fabricada de fibra de carbono e titânio, materiais que dão mais velocidade, estabilidade e resistência, além de possibilitar economia de combustível em voos longos – o peso da aeronave vazia é de 130 toneladas, o que reduzirá o consumo em até 10%. O concorrente mais direto, o Airbus A330, pesa 180 toneladas. Os motores Rolls-Royce Trent 1000 também produzirão menos ruído durante a operação, promete a fabricante.
 

Para os passageiros, o avião tem um inédito sistema de regulagem do ar interno, permitindo com que a pressão e umidade da cabine sejam mais confortáveis durante a fase de cruzeiro, além de compartimentos maiores para bagagens, novo sistema de iluminação e janelas que se escurecem ao toque de um botão.
 

Com tantas inovações tecnológicas, o projeto 787 acabou enfrentando problemas e atrasou. Os primeiros exemplares da aeronave deveriam ter sido entregues à empresa aérea japonesa All Nippon Aiways (ANA), ainda em 2008, mas uma série de problemas técnicos durante o desenvolvimento obrigaram ao adiamento das entregas.

A Boeing tem, atualmente, 860 pedidos do 787, firmes ou com opção de compra, procedentes de 56 países.
 

 

 

Jornal da Band
18/07/2010

Passageiros enfretam 28 horas de atraso em voo da Air France
Da redação, com Band News

Os passageiros do voo 445 da companhia Air France, previsto para decolar às 19h05 de sábado do Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão), no Rio, receberam a informação de que o avião partiria com 28 horas de atraso.

De acordo com assessoria de imprensa da companhia, problemas elétricos foram encontrados no motor da aeronave, no momento em que a aeronave, um Airbus A330-200, passava por inspeção técnica.  Toda a assistência, como o translado, alimentação, hospedagem foram prestadas aos passageiros, segundo a assessoria.

Esta é a quarta vez em pouco mais de uma semana, que um voo da Air France com destino a Paris é adiado por apresentar problemas.

Antecedente

Na última quinta-feira (15), um voo que saia de São Paulo não pôde decolar, por conta de uma avaria na fuselagem do avião. Na terça (13), outra aeronave decolou do Rio, mas a viagem teve que ser interrompida e o piloto retornou, por causa de um defeito técnico em alguns banheiros.

No sábado retrasado, uma falsa ameaça de bomba forçou um avião a pousar no Recife.

 

 


<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>

Página Principal