Associação dos Mecânicos de Vôo da Varig
Quarta-Feira, 22 de Maio de 2019
17/05/2019

<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>

metrojornal.com.br
17/05/2019

Funcionários da Avianca fazem paralisação após demissão de 900 pessoas

Em resposta a demissão de 900 pessoas apenas nesta semana, funcionários da companhia aérea Avianca protestam na manhã desta sexta-feira (17) nos aeroportos de Congonhas, zona sul de São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro.

Em nota, o Sindicato Nacional dos Aeronautas afirmou que não há segurança ou condições psicológicas para continuar com os voos. A categoria afirmou que 11 viagens com aviões da Avianca previstas para esta sexta em Congonhas serão remanejadas para outros aeroportos.

Os funcionários da companhia aérea optaram pela paralisação por tempo indeterminado após assembleia na segunda-feira (13). O TST (Tribunal Superior do Trabalho) determinou na quinta (16) que ao menos 60% dos pilotos e comissários mantenham a operação em quatro aeroportos – Congonhas (São Paulo), Santos Dumont (Rio de Janeiro), Juscelino Kubitschek (Brasília) e Luiz Eduardo Magalhães (Salvador).

A Avianca passa por um processo de recuperação judicial desde o fim do ano passado. Desde o meio de abril, centenas de voos da companhia já foram cancelados. Há duas maneiras de consultar se o seu voo foi cancelado: uma é procurar pelo número do voo em uma lista no site oficial da Avianca. A outra é informar o código da reserva e o último nome registrado na passagem.

Os passageiros que tiverem seus voos cancelados serão contatados pela companhia aérea e poderão optar pelo reembolso ou o remanejamento para aviões de outras empresas.

 

 

oglobo.globo.com
17/05/2019

Boeing anuncia atualização de sistema suspeito de causar acidentes aéreos
Fabricante pede treinamento de pilotos; mau funcionamento de ferramenta de estabilização teria feito aeronaves imbicarem para baixo, sem controle

A Boeing anunciou que concluiu a atualização do sistema de estabilização MCAS do seu modelo 737 MAX, suspeito de ter causado dois acidentes que mataram 346 pessoas. A fabricante americana ainda requeriu mudanças no treinamento dos pilotos.

A suspeita é de que um processamento equivocado de dados por meio deste sistema tenha feito as aeronaves imbicarem para o chão logo após a decolagem, sem os pilotos conseguissem desativá-lo e retomar o controle a tempo de evitar as tragédias. O relatório preliminar da queda do avião da Ethiopian Airlines isentou de culpa os pilotos, que seguiram as recomendações de segurança, e apontou falha técnica do Boeing 737 MAX 8.

Completamos todos os voos de teste de engenharia para a atualização do software e agora nos preparamos para o voo de certificação final — declarou o presidente da companhia, Dennis Muilenburg.

As atualizações no dispositivo de cada avião exigirão entre uma e duas horas, destacou um porta-voz da Boeing.

Além da atualização do software, há mudanças no treinamento dos pilotos, incluindo no simulador de voo.

A notícia é um passo importante para a volta ao serviço do modelo 737 MAX, retidas em terra desde meados de março, após os acidentes com aeronaves do tipo da indonésia Lion Air e da Ethiopian Airlines.

Os investidores reagiram ao anúncio provocando um salto na ação da Boeing, já que o 737 MAX é o motor de vendas do grupo de Chicago.

Segundo a Boeing, foram realizados 207 testes de voo durante um total de mais de 360 horas com o 737 MAX modificado. As alterações também foram testadas em simulador.

Treinamento de pilotos

O último ponto é importante porque países como Canadá exigem a capacitação dos pilotos em simulador, enquanto a Agência Federal de Aviação americana (FAA) recomenda apenas testes de iPad.

A Boeing destacou ter apresentado todos os elementos de capacitação de pilotos às autoridades de aviação civil de diversos países, assim como aos clientes das empresas aéreas.

O grupo aguarda agora a decisão da FAA para a realização do voo de teste de certificação das alterações do 737 MAX.

A FAA, cuja credibilidade foi questionada pela crise do 737 MAX, ainda não fixou a data para o voo de teste e quer assegurar que todos os elementos apresentados pela Boeing estejam dentro dos requisitos, revelou nesta quinta-feira à AFP uma fonte interna.

Daniel Elwell, chefe interino da FAA, declarou na véspera que o voo pode ocorrer na "próxima semana" ou alguns dias mais tarde.

 

 


<< Início   < Voltar  | |  Avançar >   Última >>

Página Principal